quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Ontem assisti aos três últimos episódios da segunda temporada de Greys Anatomy. A intenção era ver um só, mas não resisti aos demais.
Eu me acabei de chorar. Triste, triste, triste. Agora ficou o suspense para a terceira temporada. Quem souber, por favor, não me conte.

...

Foi de soluçar o que aconteceu com o Doc. Porque eu vivi essa apreensão de um veterinário me falar que eu teria que considerar o sacrifício da minha cachorrinha. Sei que muitas pessoas não entendem e diminuem o que senti. Já me disseram que “era só uma cachorrinha”. Só que ninguém é capaz de saber o tamanho do meu amor por aquela cadelinha que viveu quinze anos comigo. Foram quatro meses desde o descobrimento da doença até a morte dela. E eu não exagero nem um pouco quando falo que estão entre os piores dias da minha vida. Mas o que me conforta é que não tive que considerar a hipótese de sacrifício. Isso aconteceu já há dois anos, mas não passa um dia sem que eu sinta saudade. E ontem, depois do filme, foi difícil dormir.

8 comentários:

Maria disse...

Sei mt bem o que é isso... já passei por isso tb... ter q pensar em sacrifício ou não... acabou q não escolhi isso, mas por motivos naturais meu filhote foi embora 1 hora depois... +- :(

Helen disse...

É horrível, né? Não acredito nisso de 'é só uma cachorrinha'.Pra mim não existe Amor e Amorzinho. A gente ama e ponto.
bju!

Ana disse...

Vivi uma experiência horrível com a minha tb, a Capitu. Ela teve muitos problemas ao longo de um ano, e morreu na minha frente, praticamente nos meus braços, sofrendo muito. Eu sempre vou me arrepender de não ter dado pra ela um fim com menos dor. Entendo perfeitamente o que vc está dizendo.

Cinthya Rachel disse...

sou viciada em grey´s. assisto sempre. qto aos bichinhos, já tive que sacrificar um chinchila e ouvi do meu pp namorado, mas é so um chinchila! fica arrasada. ele me pede desculpas ate hj

Renata R. disse...

Maria, ele nem sofreu muito então. Isso conforta, né?


Helen, era muito amor.


Ana, não se culpa, não. O que nos mobilizou foi querer ficar com elas por mais tempo. E isso é nobre. Eu lembro que a minha, mesmo doentinha, me recebia com aquela carinha de sorriso quando eu chegava. Me traz paz saber que ela se sentia muito amada e que estávamos cuidando dela. Tenho certeza que a Capitu se sentia assim também.


Cinthya, pelo menos ele reconheceu que foi insensível e te pediu desculpas. E eu sempre quis ter um chinchila! ;)

1worklover disse...

Eu perdi o Duke assim. Ele era epilético, e a doença se tornou irreversível. Os remédios já não controlavam as crises.

Acho q morri um pouco qdo ele se foi. Principalmente, pq não tive a chance de me despedir.

Aqui, ele: http://eusou1worklover.blogspot.com/2007/07/070702-duke.html

='((

Renata R. disse...

Ô, Worklover, lindo seu Duke. :´)
A minha era também tão linda. É tanta saudade. O que me conforta é tentar acreditar que eles estão num lugar melhor.

1worklover disse...

Certamente, estão. Se não, já voltaram e rezo para q tenham achado um dono q lhes dê tanto ou mais amor e carinho qto o q lhes proporcionamos.

*sighs*